quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

A F... OS PORTUGUESES DESDE 1978

7 Comentários:

Anonymous Um Anarco-Fascista disse...

eis aqui porque é que Portugal é considerado LIXO.

mais do que isto só a merda fluida parida por uma caganeira!

quarta-feira, 18 janeiro, 2012  
Anonymous Anónimo disse...

entao o caga chouriços nao aparece .

hoje vi-a( a gaja é boa) uma santinha toda de pernão aberta a espera que se escorregar por aquele corpaço acima .


ate os cães ladravam quando passava .


os cagas-tacos agradecem .

quinta-feira, 19 janeiro, 2012  
Anonymous Anónimo disse...

UGT – UNIÃO GERAL DE TRAIDORES

quinta-feira, 19 janeiro, 2012  
Anonymous Anónimo disse...

Os caga-tacos deviam estar à porta da taberna a vender cóca. Com são analfabetos (escrevem merda com y) devem mandar a irmã aqui ao blog fazer um auto-retrato; pernão aberta etc.etc.

quinta-feira, 19 janeiro, 2012  
Anonymous Anónimo disse...

Gosto muito da UGT!
Estão a foder os trabalhadores portugueses desde 1978.
Socialistas vigaristas e ladrões povoam a dita merda.
Basta ver a cidade e quem faz parte da dita merda.

quinta-feira, 19 janeiro, 2012  
Anonymous Anónimo disse...

As gajos e os gajos da ugt não passam de uns palhacitos do grande capital.
Morte aos cabrões!

quinta-feira, 19 janeiro, 2012  
Anonymous J.P.G. disse...

Grande fartura para os trabalhadores, a que foi cozinhada ao lume brando da concertação social, mexida pelo Governo, temperada pelo patronato e empratada pela UGT: o Governo abdicou de uma medida que não existia, e que desagrada a gregos e troianos, introduzindo na legislação laboral um pacote de preceitos altamente gravosos para os que vivem da remuneração do trabalho.

Negócios destes só na compra e venda de burros da feira da Malveira. Em troca de nada, que ninguém queria, tomem lá menos proteção no emprego e no desemprego, menos salário, menos descanso.
Chama-se a isto, em Portugal, concertação: combinação, ajuste, harmonização, consenso. Um diz mata, outro diz esfola e ambos, concertados, matam e esfolam. O Governo, que supostamente representa os dois lados do confronto entre capital e trabalho, é descaradamente parcial, quando não é mais papista que o Papa, isto é, quando vai mesmo mais alto, mais longe e mais além do que o patronato espera. Ou do que a Troika impõe. Mais do que concertação, assiste-se a um verdadeiro concerto: o Governo sacode a batuta e ataca a pauta da tocata e fuga para patronato e orquestra. De vez em quando, a UGT dá um lamiré e depois mete a viola no saco. Um concerto sem conserto possível.
Tudo isto se passa em nome do aumento da produtividade e da criação de emprego, e vai ser apregoado até que se chegue à conclusão que nem a produtividade aumentou nem o desemprego baixou. Não há soluções que não sejam para mascarar a institucionalização da exploração. Paira no ar um certo cheiro a mofo, que vem talvez dos tempos da Confederação Patronal e da União dos Interesses Económicos.
O mais trágico é que, para além do empobrecimento geral, legislação como esta não vai trazer nada de bom ao País.

quinta-feira, 19 janeiro, 2012  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Site Meter