domingo, 31 de julho de 2011

SOME-TE RATO!

Tratam-te os que te lambem e legitimam, por Sr. Presidente do Conselho.
Chamam-te os que ainda acreditam nas Universidades que degradaste, por Professor Doutor.
No tempo em que eras fascista sem vergonha passavas por ser o Chefe, e os leonardos, teus chacais, escutavam a tua Palavra.
Depois, quando inventaste a “democracia orgânica”, gostavas que te apelidassem de Chefe... do Governo.
Mas, no isolamento e no silêncio e na treva, que é o sítio vago onde estaria a alma que te fugiu aterrada com o cheiro de arganaz podre a que o teu cérebro e o teu coração fedem, tu sabes que não és nada disso.
Presidente de quê?
De um Conselho de lacaios?
Chefe de quê e de quem?
Dos assassinos e ladrões impunes que proteges, para que eles te protejam o couro ressequido que nunca terá conhecido para que dignidade e que alegrias serve a carne humana?
Professor de quê?
Doutor em quê?
Professor de desmoralização, de ceticismo, de corrupção, de crueldade, de hipocrisia, de blasfêmia, de infâmia?
Doutor em quê?
Em técnicas de Censura e de Polícia, que são toda a tua política, toda a tua filosofia, toda a tua religião?

Some-te, rato!
Mergulha de uma vez no esgoto de oito séculos de erros que te criaram e engordaram, como excremento que és, venenoso, estéril, impotente.
Rato, apenas, rato.

As comemorações brilhantíssimas do 5 de Outubro em São Paulo, o que elas significam de unidade na luta democrática, o que elas projectam no futuro como esperança de dissolução sulfúrica da tua presença pestilenta, nada disso chegará aos teus ouvidos surdos, às tuas unhas negras da pele dos mártires que esfolaste, à tua cauda imunda, com que fustigas um dos mais gloriosos e heróicos povos da terra.
Não lerás, também porque és analfabeto e nunca leste nada, o telegrama em que os democratas reunidos para comemorar a Revolução que hoje simboliza a unidade de todos os portugueses, sem distinção de raça, religião ou credo político, na luta contra a tua baba peçonhenta, com que tens envenenado tanto patriota ingênuo que no Brasil honra o trabalho português, pedem a tua demissão.

E fazes bem, fazes bem.
Tu não podes demitir-te, porque nunca foste nomeado.
Tu és o símbolo da ilegalidade, da arbitrariedade, da injustiça, da opressão.
Não te demitas, some-te!
Some-te, rasteiro como nasceste, como subiste, como governaste, como imitaste nos teus discursos, laboriosamente vomitados, uma língua admirável que, rato que és, nunca soubeste falar.
Some-te tal como viveste, com a mesma covardia com que mandaste assassinar, roubar, violentar.
Some-te rato, com a tua bota de elástico, a tua pena de pato, a tua ceroula de fita, as tuas letras gordas, a tua finança de chácara, a tua economia de campônio, a tua política de traidores à Pátria.
Some-te assim, rasteiro e mesquinho, como vieste!
Some-te, rato!
E que o ódio de um Povo, e o desprezo de todos os amantes da liberdade e da justiça, saibam esquecer o momento de nojo e de vergonha e castração que tu longamente foste, em mais de trinta anos de horror e reles mesquinhez.
Que nem a tua pele piolhosa fique apodrecendo na memória das gentes, mais que como imagem da peste política e moral!
Some-te rato!


Jorge de Sena
Novembro de 1959

Etiquetas:

15 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

É SÓ GENTE SÉRIA ....QUE O DIGAM OS TRABALHADORES DESPEDIDOS SEM DIREITO A COISA NENHUMA...
O grupo Control PET – sociedade participada pelos grupos portugueses Imatosgil e Banco Espírito Santo compraram em Junho a unidade de produção de PET Artenius Portugal, em Portalegre, empresa que era propriedade da espanhola La Seda.
A empresa, desenhada em 1996 para a produção de fibras de poliéster, foi reconvertida para a produção em processo contínuo de polímeros PET, tinha uma produção anual de 70 mil toneladas e estava com a sua actividade industrial paralisada desde finais de 2010.
De acordo com a La Seda, na altura do negócio, o valor da venda foi de 5,6 milhões de euros a pagar entre 2011 e 2015.

domingo, 31 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Claro que se trata de mais uma pantomina, agora facilitada pelo actual executivo. Manuel Matos Gil tem grande influência no núcleo duro do PSD nortenho nomeadamente em Aveiro (Ângelo Correia), Gaia (Filipe Menezes) e Porto (vários).
O que é curioso é este «fenómeno» financeiro: Imatosgil comprou por um décimo de euros aquilo que ela própria vendera à la Seda de Barcelona cinco anos antes na altura em que Manuel M. Gil controlava aquele grupo catalão. Isto é: comprou por 5 milhões o que tinha vendido (a ele próprio) por cerca de 50 milhões de euros.
O BES não aparece ali por acaso. Na realidade a sociedade financeira Imatosgil fisicamente era constituída por uma pequeno gabinete do BES Investimento, em Madrid, onde o irmão Manuel dispunha de uma secretária, de um telemóvel e do apoio de um peso-pesado: a nossa CGD.
Quando em 2002 o grupo comprou a Trevira Fibras em Portalegre a intenção não seria ganhar dinheiro a produzir fibras, mas tão-somente lançar uma operação financeira de grande envergadura com compras, vendas, trocas e baldrocas, de modo a dominar o mercado europeu da produção e transformação de PET. A empresa familiar entretanto vendida para alavancagem dessa operação, seria recuperada mais tarde com a aquisição da Clockner – grupo alemão que domina o mercado europeu da produção de plásticos. Manuel falhou em tudo!
A pergunta que se põe neste momento é: e agora? A empresa Selenis vai produzir PET ou é mais um peru a engordar para levar à praça? A resposta é dada pela «reorganização» recentemente efectuada na Artenius após aquisição. De facto…
O eng. Fernandes, director de produção daquela fábrica foi despedido sem qualquer explicação patronal e substituído pelo Director Geral da Selenis – um «técnico» que no reinado inglês e alemão desempenhava as funções de Capataz das Oficinas de Manutenção. Temos pois de concluir que iremos assistir a mais umas quantas operações de compra de PET na China, re-embalagem na Selenis e venda à Bulgária.
Quanto aos trabalhadores despedidos: o estado das finanças públicas, a lamentável situação herdada dos socialistas, a agitação do PCP e BE, a tróica, o caso da Grécia, etc. etc. não permitirão despender um cêntimo com quem vai recebendo umas coroas via segurança social que dá perfeitamente para o mata-bicho.

domingo, 31 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Já todos percebemos há muito tempo que isto da Selenis virou uma trapalhada à maneira do norte

domingo, 31 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

N.º Procedimento: 213218

Listagem de entidades adjudicantes NIF Nome entidade adjudicante
501170162 Municipio de Marvão


Listagem de entidades adjudicatárias NIF Nome entidade adjudicatária
503364657 Marvão Rur - Prestação de Serviços Florestais e Manutenção Urbana
Objecto do contrato: Aquisição de serviços - Horas de motosserra, motorroçadora e horas de mão-de-obra para aplicação de massas betuminosas


Data da celebração de contrato: 15-09-2010


Preço contratual : 74.679,55 €

domingo, 31 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

N.º Procedimento: 224421

Listagem de entidades adjudicantes NIF Nome entidade adjudicante
501170162 Municipio de Marvão


Listagem de entidades adjudicatárias NIF Nome entidade adjudicatária
507747429 Imensis Consultadoria e Projectos



Objecto do contrato: Aquisição/Aplicação de Inóculo de Cogumelos Silvestres


Data da celebração de contrato: 08-11-2010


Preço contratual : 36.360,00 €

Prazo de execução: 15 dia(s)

Local de execução: •Portugal - Portalegre - Marvão

domingo, 31 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

devem ser negócios de sabonetes

domingo, 31 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Não consigo, perceber porque não se preocupam mais com Portalegre! A Câmara Municipal está uma grande trapalhada ninguém quer saber de nada, o lixo teima em permanecer por estas ruas, a limpeza deixou de existir e cada vez mais há técnicos na Câmara que nada fazem pois o Cáceres sempre achou que o trabalho é efectuado por estes Doutores, Engenheiros, Juristas e arquitectinhos da treta, muito bem senhor Engenheiro como o Senhor sabe a adelaidesinha vai ter mais um problema por essa gentinha a trabalhar!!! Que tal fazerem limpeza e varrerem a cidade são mais que Assistentes Técnicos e Auxiliares então limpem.Mas o engomadinho já deve ter algo cozinhado para ajudar a dondoca da sua esposa a resolver tal situação!!!!Trabalhem e mostrem o que tanto a pregoam....

segunda-feira, 01 agosto, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

em marvão...

... mandam os que lá estão!

segunda-feira, 01 agosto, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Está visto que no concelho de Marvão as falcatruas do executivo da câmara municipal são mais que muitas. Quando é que a justiça funciona e coloca estes ladrões todos na pildra?
Extinguir concelhos já!
Estamos entregues a ladrões de gravata e burros todos os dias do ano!

segunda-feira, 01 agosto, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Vai tu varrer as ruas já que andas por aqui a coçar as calças!!
Ou então vai aos serviços queixares-te em vez de andares feito cobarde a dizer mal das pessoas!!

segunda-feira, 01 agosto, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Oh último(a) comentador(a) deves andar a mamar na teta da vaca do municipio dos ladrões e vigaristas de Marvão?
Basta ver as grandes obras actuais e passadas de merda, como estão a ser feitas e os materiais que estão a ser utilizados para ver como eles roubam.
Abre os olhos!

segunda-feira, 01 agosto, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Expliquem ao povo para que são tantos pontos de luz em tão poucos m2?
Devem receber uma grande comissão por cada um deles.
Prisão com estes grandes filhos da puta e ladrões.
Estes incompetentes e que levaram este país à bancarrota.

segunda-feira, 01 agosto, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Durante dezenas de anos, fruto da maneira de ser muito portuguesa do “deixa andar” e do “fingir que não se vê”, aliada à novel cultura pós-modernista de que o dinheiro faz a felicidade, a corrupção foi-se espalhando por todo o tecido social e em progressão geométrica.
Só que as coisas chegaram a um tal ponto, em que o cheiro é já tão nauseabundo, que o ar se tornou irrespirável.
E é já sem surpresa e com naturalidade que todos os dias assistimos a esta implosão de novos escândalos.
E, como está à vista de todos, o poder autárquico é um terreno fértil à propagação da doença.
A corrupção é, sem qualquer dúvida, o imposto mais caro que os portugueses pagam.
E hoje as autarquias locais são as principais fontes de corrupção, sendo o urbanismo uma área de enriquecimento ilícito incontrolável.
Acresce que os presidentes de Câmara, muitas vezes pouco conhecedores de onde começa e termina o seu poder e educados na cultura autoritária e antidemocrática do antigo regime (que, ainda, têm por referência), estão convencidos de que são os donos e senhores das suas autarquias.
E o dinheiro da autarquia, que chegam a confundir com o seu (basta ouvi-los falar), é utilizado para cimentar o seu poder, cumprindo a velha máxima de que «a política serve para ajudar os amigos, prejudicar os inimigos e aplicar as leis aos que nos são indiferentes».
Assim, em vez de se guiarem por critérios objectivos na atribuição de apoios e subsídios a particulares e associações, o dinheiro público é, antes, utilizado para silenciar consciências, eliminar adversários e colocar homens de mão à frente das diferentes associações e instituições.
Ou seja, a torneira autárquica abre ou fecha, consoante as associações e os particulares prestem ou não vassalagem ao senhor feudal.
Mas o que é mais revoltante e aviltante em todo este processo é a forma humilhante, sabuja e conformada como a maioria das pessoas aceita vergar-se ao poder presidencial para poder comer as migalhas que vão caindo do prato (o empregozito, o licenciamento da obra, o muro, o subsídio, etc.).
É certo que o voto é secreto.
Mas ninguém consegue ser vertical no momento de votar quando chega à cabine de voto com uma tão grande curvatura nas costas.
Quem vive de cócoras é incapaz de votar direito.

segunda-feira, 01 agosto, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Município de Marvão




Listagem de entidades adjudicatárias NIF Nome entidade adjudicatária
502664169 Edições Colibri


Objecto do contrato: Aquisição de 1000 exemplares do livro “MARVÃO À MESA COM A TRADIÇÃO”



Preço contratual : 12.800,00 €

Prazo de execução: 15 dia(s)

Local de execução: Marvão

segunda-feira, 01 agosto, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Anónimo disse...
ESTÁ PRESTES A REBENTAR UMA GRANDE BOMBA EM ARRONCHES!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!MAS QUE BOMBA!!

quarta-feira, 03 agosto, 2011  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Site Meter