quinta-feira, 16 de abril de 2009

CONQUISTA

Livre não sou, que nem a própria vida
Mo consente.
Mas a minha aguerrida
Teimosia
É quebrar dia a dia
Um grilhão da corrente.

Livre não sou, mas quero a liberdade.
Trago-a dentro de mim como um destino.
E vão lá desdizer o sonho do menino
Que se afogou e flutua
Entre nenúfares de serenidade
Depois de ter a lua!

Miguel Torga
Cântico do Homem

Etiquetas: ,

1 Comentários:

Anonymous patico disse...

Ao acaso descobri este blogue. Parabéns pela diversidade e pelos apontamentos poéticos.
Como Alentejano (Monfortense) que sou e porque parte da minha vida (estudante) foi passada em portalegre (Liceu e Escola Secundária S. Lourenço, sinto enorme orgulho neste espaço.

Parabéns.
Um Abraço do Patico.

www.paticoarte.fotosblogue.com

quinta-feira, 04 junho, 2009  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Site Meter