segunda-feira, 11 de julho de 2011

PORQUE O RIGOR É INSONDÁVEL E ENIGMÁTICO COMO DEUS

In:Público
11 de julho de 2011
Clique na imagem
para ler melhor


Etiquetas: , , ,

25 Comentários:

Anonymous Alberto disse...

Há grandes professores nesta cidade, este Senhor Professor é um deles.

segunda-feira, 11 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Eles usam a linguagem poética, enchem as suas palavras e escrita de linguagens como por exemplo a metáfora que é tipo uma comparação, isso faz com que os professores fiquem mais bonitos, mais sofisticados e muitas vezes mais inteligentes e portanto são mal compreendidos.

segunda-feira, 11 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Só se forem em tamanho. Porque no resto....sem comentários. Na verdade houve grandes professores nesta cidade.

segunda-feira, 11 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Meu caro:
O seu texto é muito bonito. Levou algum tempo a escrever. Mas saiu bem. Contudo e lamentavelmente,trata-se apenas de retórica para ninguém "ouver". Sabe tão bem quanto eu que, face às quotas existentes para a atribuição de notas, por melhor elaborada que fosse a avaliação, perdia todo o respeito.

Mas tem razão em tudo o que diz. É ridículo!
Mais. As notas máximas estão atribuídas antes da avaliação. Já se sabe quem as vai ter.
É tudo cozinhado nos bastidores atrás das secretárias onde se pavoneia gente sem escrúpulos. Sabemos quem são. Mas nada podemos fazer.
Num concelho vizinho, chegou-se ao ponto de alterar uma nota, entretanto atribuída, porque era preciso que um(a) colega tivesse nota superior a outro(a) para ser convidado(a) a ficar nessa mesma escola.

Cumprimentos

segunda-feira, 11 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Os professores são das classes profissionais mais corruptas deste País.
São cínicos e criaram esquemas ao longo dos anos nas escolas, que agora é muito dificil dar a volta a este contexto.
A mudança de notas já se verificou em varias escolas, diz-se por aì....

segunda-feira, 11 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Eu até conheço uma escola em que um prof bacharel avaliou os prof licenciados.
E a ministra é que tinha a culpa.
Ao que isto chegou...

segunda-feira, 11 julho, 2011  
Anonymous Mestre Escola disse...

Não foi este o partido do poder - PSD - que andou de braço dado com esta corja quando do Carnaval contra a avaliação?

Tou morto por vê-los outra vez nessa palhaçada que o povo repudiou de norte a sul do país.

segunda-feira, 11 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Li o texto....conclui que é um discurso bacoco, a avaliação por mais objectiva que se pretenda será sempre subjectiva, basta os intervenientes avaliador/ avaliado serem sujeitos.
A avaliação tal como foi implementada e tal não decorre do texto legal, foi subvertida pelos professores e direcções que utilizaram essa avaliação para premiar os amigos, os lambe botas, a pouca exigência, as palhaçadas, as excursões, etc. Admiram-se depois de o distrito de Portalegre ter as escolas com os piores resultados.

terça-feira, 12 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Alguém disse um dia que a memória dos homens era curta, frase que eu cito muitas vezes. Contudo existem memórias que registam tudo "no disco rígido", que podem desaparecer temporariamente, mas que regressam com o andar dos tempos.

- Um professora primária não podia casar com quem queria, mas sim com quem o Salazar autorizava. A minha mulher que era professora teve que pedir essa autorização.

- Um(a) professor(a) agregada (não efectiva) não ganhava durante as férias (3 meses sem receber um tostão) e qualquer uma delas ia para casa sem indemnização nem ordenado se o número de alunos baixava de 30 alunos?

- Que os professores primários, além do seu horário normal de escola, ainda levavam os alunos para casa, nas suas horas de descanso, para continuar as aulas?

- que o exame de 4ª classe era feito na sede do Concelho (eu tive que ir a pé de Arronches para o Portalegre, pelo calhau, saltando de pedra em pedra quando a maré estava vazia)?

- Que para poder entrar para o ensino secundário (Liceu e Escola Industrial), era necessário) fazer o respectivo exame de admissão?
Se um casal de namorados fosse apanhado de mão dada, a dar um beijo, etc… na via pública, estava sujeito a pagar uma multa?

- Sabia que o namoro, pelo menos nos primeiros tempos era sempre ás escondidas?

- Que os rapazes não podiam parar em frente ao Liceu, Escola Industrial e colégios femininos para ver as miúdas?

- E que não podiam fazer ajuntamentos de mais do que uma pessoa, como diziam alguns policias da época?

Haverá mais.

terça-feira, 12 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Graças à liberdade mal interpretada e mal usada e em nome da democracia hoje um professor pode casar com qualquer uma viver com qualquer um (a) e depois chegar à sala de aulas e levar porrada dos alunos.
Não ganhar durante as férias e até o ano inteiro pois se tem o azar de não ser colocado paciência.
Hoje leva os alunos(as) não só para casa mas também para discoteca boate ou quarto de hotel.
No ensino secundário ou superior entra qualquer um mesmo sem saber ler ou quantos são 2X2.
Há escola em todo o lado até algumas terão de fechar por falta de crianças graças aos planeamento familiares da nossa Europa progressista.
Todos têm direito ao ensino superior para depois de ter um canudo na mão ir para casa sem emprego.
É asse cível a todos mesmo os que não se esforçam entretanto tiram o lugar dos que são inteligentes mas que a família não os pode sustentar a nível financeiro.
Hoje até sexo em plena via pública, nas escolas e não só é permitido pela liberdade.
Namorar é giro arrastando-se na via pública nos recintos escolares e desportivos nos transportes públicos atirados no chão enfim tudo o que se vê.
Podem rapazes e raparigas partilhar tudo junto até o charro a seringa ou o pó e com os traficantes por perto também pode.
Agora podemos juntar-nos os marido com as amigas os amigos com as esposa e tudo o resto também pode a liberdade assim o permite.
Só que o mundo caminha para o colapso pois a desintegração da família e por conseguinte da sociedade levou-nos a esta libertinagem mas com tudo isto "ditadura nunca mais"; saibamos é interpretar à letra o conceito de democracia e a prática da liberdade.Só depende de cada um de nós e a culpa não é dos jovens mas de quem os educa no seio da família principalmente.
Apesar deste comentário nada retira da veracidade do texto,o que realmente era uma situação desprezível mas passou-se do 8 para o 88,e demorará mais uma geração e muita vontade para mudar o sentido das coisa .

terça-feira, 12 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Só para que o sr. não ser mentiroso e demagogo, deixe-me lembrá-lo que qualquer aluno hoje em dia sai da escola 100 vezes mais preparado do que antes do 25 de Abril, em que eram obrigados a fixar o nome de rios e de caminhos de ferro, mas de útil não sabiam nada. Quanto a professores levarem alunos para quartos de hotel, sabe perfeitamente que antigamente todos fechavam os olhos a essas coisas e hoje em dia, basta ler as noticias para saber o que acontece. Bem sei que o cachorro que sempre viveu amarrado, não sabe viver solto, mas veja se aprende porque já se passaram mais de 30 anos e já vai sendo tempo de o senhor abrir os olhinhos!!! Eu também já sou velho, mas fiz um esforço e aprendi alguma coisa.

terça-feira, 12 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Dá-me sempre uma certa pena quem é incapaz de acompanhar a evolução, quem fica parado no " dantes é que era bom", quem cristalizou no tempo da outra senhora. Não viveu a sua vida com abertura de espírito, não aprendeu nada, andou cá a ver passar os comboios ( nem os comboios, que esses já não passam).

terça-feira, 12 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Eh pá, não batam na corja, eles são umas vitimas. Então os mais velhos até os obrigam a cumprir horário de 12 horas semanais para levarem para casa só três mil e tal euros. Vejam que até lhe dão tempo para depois em casa xularem os pais dos alunos a pegarem explicações para que os filhos possam aprender o que eles se recusaram a ensinar nas aulas. Coitadinhos para além de trabalharem nos seus empregos ainda têm que roubar tempo ao espaço familiar para ajudar os alunos. E mais nas escolas Secundárias onde as miudas já são todas crescidas é ve-los nos espaços escolares agarrados a elas a confortá-las a apoiá-las porque são filhas de famílias disfuncionais que não as compreendem e não lhe dão o carinho que necessitam para crescerem saudávelmente e os SENHORES DIRECTORES PREMITEM ISTO TUDO.

terça-feira, 12 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Como 70% tiraram cursos em universidades do litoral e mais de 60% são naturais de outras regiões mais desenvolvidas conclui-se que é o contacto com a burrice de alguns locais que os faz desaprender...

terça-feira, 12 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

"Levam para casa mais de três mil euros"...Informe-se "porque levam para casa" menos mil euros do que indicou.

terça-feira, 12 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

São aqui colocados comentarios malcriados e ofensivos. Os meus que apenas pretendiam lançar alguns temas para debate, são apagados.
Muito bem o senhor blogista está a fazer o mesmo que tanto criticava aqui há uns meses ao Sr engº Socrates. Assim desejo-lhe mais sentido democratico, quanto a mim é a ultima vez que aqui venho, porque não estou para o aturar.
Vá dar banho ao cão.

quarta-feira, 13 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

os professores são a classe mais desorganizada e mais ciomplicada que existe. Basta perguntar a um qq prof quantas brigas tem com os colegas. E é ver a quantidade de processos que se põem uns aos outros.

quarta-feira, 13 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Mas em que universidades os professores de Portalegre tiraram os cursos? Não sabia que os politécnicos, cancro e causadores do mau ensino que se ministra em Portugal, agora são universidades! Vê-se mesmo que a choldra que por aqui anda não faz a mínima ideia do que é uma universidade. Falo de universidades a sério não daquelas que o socretino frequentou.

quinta-feira, 14 julho, 2011  
Anonymous Filipe disse...

São os piores resultados dos últimos anos. Pela primeira vez desde 2007, a média do exame nacional de Matemática do 9º ano realizado no mês passado voltou a ser negativa (43%, 50% no ano anterior). A percentagem de negativas subiu para 58%. E a de Língua Portuguesa sofreu uma quebra de cinco pontos por comparação aos anos anteriores (51%). A percentagem de negativas subiu para 43,6 por cento por comparação aos 29,7 de 2010. Nesta disciplina, foi o segundo pior resultado em sete anos de exames nacionais. Bastou aumentar um pouco o nível de exigência para que a herança de analfabetismo certificado do socialismo banqueiro ficasse exposta. Foram seis anos a promover um sucesso artificial como forma de reduzir custos através da diminuição do número de repetentes, seis anos dos quais fica também a memória da tentativa gorada de introduzir a medida da colaboração com este passe-vitte como critério de avaliação da classe docente.

quinta-feira, 14 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Não valerá a pena malhar em ferro frio...Mas quando se fala do que não se sabe...Mais de 70% dos professores do Liceu e da Escola fizeram os seus cursos na Faculdade de Ciências de Lisboa (nomeadamente Matemática, Bilogia e Geologia e Ciências Físico-Químias), IST e ISEL de Lisboa (Matemática e Física), Universidade de Coimbra (Física e Biologia), Universidade de Aveiro (Matemática e Informática) e Universidade de Évora (Matemática, Física e Biologia)...A ESTGP não forma professores e a ESE forma apenas professores do 1º e 2º Ciclos...Portanto a esmagadora maioria dos professores do 3ºciclo e Secundário fez os seus cursos em Universidades conceituadas...Até porque, se tivesse conhecimento do corpo docente das escolas, saberia que a média de idades dos professores ultrapassa os 40 e muitos anos e muitas das universidades e politécnicos são recentes.

quinta-feira, 14 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Faltou-me referir os Professores de Humanidades mas posso salientar a Universidade de Coimbra (vários professores de História e Línguas), a Universidade Clássica de Lisboa, a Universidade de Évora ou a Universidade Nova...É claro que também aqui se pode socorrer da idade média dos professores...e novamente refiro que os cursos dos politécnicos apenas formam professores dos 1º e 2º ciclos.

quinta-feira, 14 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Avaliando estes comentários considero que a escolaridade deveria começar no 3.º ciclo. Afinal de contas para que serve o 1.º e 2.ºciclo???... e as educadoras de infância? Essas então não fazem mesmo falta!!!!!

quinta-feira, 14 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Ninguém disse que não faz falta o 1º e 2º ciclos, apenas se disse que as Eses formam professores destes ciclos...Os professores do 3º ciclo e secundário são formados pelas universidades...Está difícil...

quinta-feira, 14 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Faltou referir os professores que vêm de universidades privadas de 5ª categoria e os que terminaram os cursos, às 5 pancadas, na Universidade Aberta. Aqueles que fala, não pertencem á faixa etária dos 40/50 anos, na verdade pertencem á faixa etária dos 50/60 anos. E as escolas que fala ainda vão sendo as melhores do distrito e o resto? Os bons professores estão em extinção e repito as escolas de educação são o cancro do ensino em Portugal, sem boas bases não há bons alunos no secundário.

sexta-feira, 15 julho, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

E aquela profª que anda a dizer que fez o curso em Lisboa quando toda a gente sabe que o tirou aqui na ESE professora do 1º ciclo ahahha adivinhem adivinhem...

segunda-feira, 18 julho, 2011  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Site Meter