sexta-feira, 6 de novembro de 2009

HÁ BESTAS POR TODO LADO

Era uma vez um Sr. Presidente da Câmara que convidou um Sr. Presidente de Junta para seu Chefe de Gabinete.

Durante o tempo que o Sr. Presidente de junta desempenhou um cargo político, mais o tempo que esteve como chefe de gabinete, delegou no Secretário da sua junta para que este desempenhasse com todo o empenho todas as funções atribuídas, decorreram oito anos.

Neste percurso politico, nos primeiros quatro anos, o seu secretário habitou-se a procurar o seu presidente nas tascas a fim de proceder ao despacho e assinatura de alguns documentos necessários para satisfação dos seus fregueses, porque o seu presidente tinha por hábito ir à junta uma vez por mês para que se realizasse a reunião do executivo.

Nos quatro anos seguintes, então como chefe de gabinete, o seu secretário passou a deslocar-se à camada novamente para despachar e assinar.

Neste espaço de tempo decorreram oito anos, há novas eleições e o dito secretário volta a ser convidado para constituir a equipa esta é sufragada pelos fregueses que lhe dão a maioria na junta, qual não é o espanto do secretário quando duas horas antes da junta ser instalada é informado que não tem lugar no executivo, com o cargo desempenhado anteriormente, passaria para a assembleia.

Este senhor presidente tramou aquele que trabalhou e lhe assegurou a vitória.
Parece que o Mata Cáceres quando destituiu o presidente da junta foi por incompetência, nada mais, a mesma por mim presenciada no desempenho de presidente de junta, este aproveitou de uma pessoa honesta, perguntem!


Este senhor é uma pessoa excelente nas suas conversas, mas afinal de contas, não presta, têm dúvidas, perguntem em termos profissionais, ou será que também houve mão da comissão politica do Serrote?


M.A.

Etiquetas:

24 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

a diferença entre o fazer e nada fazer no psd.

A diferença entre a sé e s. lourenço.

s. lourenço nada faz
e ganha sempre com maioria.
vale apena fazer algo para a população se ela vota sempre de olhos fechados.

e assim continuam as bestas por todo o lado

sexta-feira, 06 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

Conversas com José Sócrates foram gravadas no processo ‘Face Oculta’, através das escutas telefónicas que a Polícia Judiciária (PJ) efectuou a Armando Vara, arguido no caso.

Pelo menos um dos casos envolve Armando Vara e conversas com o primeiro-ministro, José Sócrates. Um dos temas abordados é a venda da TVI pelos espanhóis da Prisa. Recorde-se que, em Junho, após a revelação de que a PT estava a diligenciar a compra da estação, o negócio foi vetado por Sócrates, devido à polémica levantada. Acabou por ser a Ongoing a anunciar, nos primeiros dias de Agosto, que chegara a acordo com a Prisa: um negócio de 112 milhões de euros, financiado pelo BES e pelo BCP.

sexta-feira, 06 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

já não vinha cá há muito, mas como isto está na mesma resolvi fazer o mesmo de sempre ;)
quem gosta, gosta
quem não gosta, come menos...

sexta-feira, 06 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

És um grande parvo....

sexta-feira, 06 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

Então vejamos.
Pelo pouco que conheço, trata-se do Sr Pres. Oliveira e o seu secretario.
Ai Oliveira que vai ser de ti agora

sexta-feira, 06 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

O gajo que escreve em branco deve ser muito parvo e estúpido ou então deve estar a receber o rendimento mínimo para não ter nada que fazer.....

sábado, 07 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

Costa propõe 70 assessores

Para 17 eleitos, António Costa sugere 70 assessores, cada um com um salário mensal que pode ir até aos 3386 euros. A proposta do presidente da Câmara de Lisboa será sujeita a votação na próxima segunda-feira, dia 9 de Novembro, na primeira reunião extraordinária do novo executivo camarário.

Na proposta, a que o CM teve acesso, o autarca refere que “deve ser fixado um limite para o número de pessoas afectas ao apoio técnico e administrativo”. Neste sentido, António Costa propõe para o total do executivo a fixação de um máximo de 70 assessores e de 28 pessoas para apoio administrativo. Só para trabalhar a seu lado, o presidente quer sete assessores e duas pessoas para apoio administrativo.

Para os diferentes agrupamentos políticos e para os vários eleitos, a proposta contabiliza um total de 58 assessores para a equipa de António Costa (PS), e de seis assessores tanto para a coligação encabeçada por Santana Lopes, do PSD, como para Ruben de Carvalho, da CDU.

No que diz respeito à remuneração dos assessores, a proposta de António Costa aponta para um limite de 47 400 euros brutos por ano, o que, a 14 meses, corresponde a um salário mensal de 3386 euros.

sábado, 07 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

Face Oculta: Certidões estiveram quatro meses paradas na PGR

A Procuradoria-Geral da República (PGR) teve na sua posse, durante mais de quatro meses, as nove certidões extraídas do processo «Face Oculta», sem lhes dar destino, revela a edição desde domingo do Público. Segundo fontes judiciais, as certidões chegaram à PGR em Julho.
Só depois das buscas realizadas às empresas públicas alegadamente envolvidas, no passado dia 28, é que Pinto Monteiro decidiu remeter um pedido de informações ao Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Aveiro, solicitando novos dados. Contudo, o PGR não esclareceu a demora da decisão.

Uma das certidões, segundo apurou na sexta-feira o diário, junto de uma assessora da PGR, está relacionada com o primeiro-ministro, José Sócrates, que teria sido escutado em conversas telefónicas com Armando Vara, que suspendeu o cargo de vice-presidente do BCP esta semana, depois de ter sido constituído arguido no processo.

Ainda segundo a publicação, os dois teriam falado sobre a venda da TVI pelos espanhóis da Prisa, além da aquisição da Media Capital, montada pela Ongoing de Nuno Vasconcellos. Sócrates e Vara comentaram ainda a «campanha negra» orquestrada pela estação de Queluz contra o chefe de Governo e, segundo o Correio da Manhã, teriam sido abordadas as dívidas do empresário Joaquim Oliveira, da Controlinveste e Global Notícias, que detém vários órgãos de comunicação social.

As conversas podem indicar crime de tráfico de influências, caso seja provado que um dos interlocutores estaria a usar a sua influência junto de entidades públicas para obter vantagens pessoais ou para terceiros, como está previsto no Código Penal.

domingo, 08 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

e assim se engana o povo português.

O senhor Procuradoria-Geral da República (PGR)se fizesse o trabalho honesto, não esperava para depois das eleições dar andamento ao processo «Face Oculta».

o resultado seria outro, e ai sim existia uma politica de verdade.

domingo, 08 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

O Sr. Dr. Vasco Franco há 4 anos atrás tinha o antigo 5º ano do Liceu (9º ano de escolaridade actual) por equiparação do Curso Comercial. Entretanto, formou-se com 18 (dezoito) valores na Universidade Lusófona - ULHT (atenção: não foi na Independente, hein!!!).
Assim, na ULHT, propriedade de um dos chefões da Maçonaria, cuja mulher foi eleita deputada pelo PS nestas legislativas e fez parte das listas autárquicas de 2009 em Lisboa (coincidências), cidade onde tem várias obras embargadas nos seus colégios e escolas (mais coincidências, é claro), o sr. Franco passa a Sr. Dr. Franco, mais rapidamente ainda do que o Sr. Eng. Sócrates e pelo menos tão rapidamente como o Sr. Dr. Vara, ambos na Independente.
Ou seja, continuamos e aprimoramos. Viva Portugal!

Com o 9º ano, 50 anos de idade e reforma de mais de € 3.000 euros... até parece gozo...
CHAMAR-LHE ESCÂNDALO É POUCO!
O Presidente da República não deve saber desta. Será que alguém lhe pode enviar a notícia?
ENTÃO É ASSIM!

vascofranco.jpegApesar de ter apenas 50 anos de idade e de gozar de plena saúde, o socialista Vasco Franco, número dois do PS na Câmara de Lisboa durante as presidências de Jorge Sampaio e de João Soares, já está reformado.
A pensão mensal que lhe foi atribuída ascende a € 3.035 euros (608 contos), um valor bastante acima do seu vencimento como vereador.
A generosidade estatal decorre da categoria com que foi aposentado - técnico superior de 1ª classe, segundo o «Diário da República» -apesar de as suas habilitações literárias se ficarem pelo antigo Curso Geral do Comércio, equivalente ao actual 9º ano de escolaridade.
A contagem do tempo de serviço de Vasco Franco é outro privilégio raro, num país que pondera elevar a idade de reforma para os 68 anos, para evitar a ruptura da Segurança Social.
O dirigente socialista entrou para os quadros do Ministério da Administração Interna em 1972, e dos 30 anos passados só ali cumpriu sete de dedicação exclusiva; três foram para o serviço militar e os restantes 20 na vereação da Câmara de Lisboa, doze dos quais a tempo inteiro.
Vasco Franco diz que é tudo legal e que a lei o autoriza a contar a dobrar 10 dos 12 anos como vereador a tempo inteiro.

vasco.jpgTriplicar o salário - Já depois de ter entregue o pedido de reforma, Vasco Franco foi convidado para administrador da Sanest, com um ordenado líquido de € 4.000 euros mensais (800 contos). Trata-se de uma sociedade de capitais públicos, comparticipada pelas Câmaras da Amadora, Cascais, Oeiras e Sintra e pela empresa Águas de Portugal, que gere o sistema de saneamento da Costa do Estoril.
O convite partiu do reeleito presidente da Câmara da Amadora, Joaquim Raposo, cuja mulher é secretária de Vasco Franco na Câmara de Lisboa. O contrato, iniciado em Abril, vigora por um período de 18 meses.
A acumulação de vencimentos foi autorizada pelo Governo PS mas, nos termos do acordo, o salário de administrador é reduzido em 50% - para € 2.000 euros - a partir de Julho, mês em que se inicia a reforma, disse ao Expresso Vasco Franco.
Não se ficam, no entanto, por aqui os contributos da fazenda pública para o bolo salarial do dirigente socialista reformado. A somar aos mais de € 5.000 euros da reforma e do lugar de administrador, Vasco Franco recebe ainda mais € 900 euros de outra reforma, por ter sido ferido em combate em Moçambique já depois do 25 de Abril (?????), e cerca de € 250 euros em senhas de presença pela actuação como vereador sem pelouro.
Contas feitas, o novo reformado Vasco Franco do PS, triplicou o salário que auferia no activo, ganhando agora mais de 1200 contos limpos (6150€). Além de carro, motorista, secretária, assessores e telemóvel

domingo, 08 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

"Os intocáveis" por Mário Crespo

"O processo Face Oculta deu-me, finalmente, resposta à pergunta que fiz ao ministro da Presidência Pedro Silva Pereira - se no sector do Estado que lhe estava confiado havia ambiente para trocas de favores por dinheiro. Pedro Silva Pereira respondeu-me na altura que a minha pergunta era insultuosa.

Agora, o despacho judicial que descreve a rede de corrupção que abrange o mundo da sucata, executivos da alta finança e agentes do Estado, responde-me ao que Silva Pereira fugiu: Que sim. Havia esse ambiente. E diz mais. Diz que continua a haver. A brilhante investigação do Ministério Público e da Polícia Judiciária de Aveiro revela um universo de roubalheira demasiado gritante para ser encoberto por segredos de justiça.

O país tem de saber de tudo porque por cada sucateiro que dá um Mercedes topo de gama a um agente do Estado há 50 famílias desempregadas. É dinheiro público que paga concursos viciados, subornos e sinecuras. Com a lentidão da Justiça e a panóplia de artifícios dilatórios à disposição dos advogados, os silêncios dão aos criminosos tempo. Tempo para que os delitos caiam no esquecimento e a prática de crimes na habituação. Foi para isso que o primeiro-ministro contribuiu quando, questionado sobre a Face Oculta, respondeu: "O Senhor jornalista devia saber que eu não comento processos judiciais em curso (…)". O "Senhor jornalista" provavelmente já sabia, mas se calhar julgava que Sócrates tinha mudado neste mandato. Armando Vara é seu camarada de partido, seu amigo, foi seu colega de governo e seu companheiro de carteira nessa escola de saber que era a Universidade Independente. Licenciaram-se os dois nas ciências lá disponíveis quase na mesma altura. Mas sobretudo, Vara geria (de facto ainda gere) milhões em dinheiros públicos. Por esses, Sócrates tem de responder. Tal como tem de responder pelos valores do património nacional que lhe foram e ainda estão confiados e que à força de milhões de libras esterlinas podem ter sido lesados no Freeport.

Face ao que (felizmente) já se sabe sobre as redes de corrupção em Portugal, um chefe de Governo não se pode refugiar no "no comment" a que a Justiça supostamente o obriga, porque a Justiça não o obriga a nada disso. Pelo contrário. Exige-lhe que fale. Que diga que estas práticas não podem ser toleradas e que dê conta do que está a fazer para lhes pôr um fim. Declarações idênticas de não-comentário têm sido produzidas pelo presidente Cavaco Silva sobre o Freeport, sobre Lopes da Mota, sobre o BPN, sobre a SLN, sobre Dias Loureiro, sobre Oliveira Costa e tudo o mais que tem lançado dúvidas sobre a lisura da nossa vida pública. Estes silêncios que variam entre o ameaçador, o irónico e o cínico, estão a dar ao país uma mensagem clara: os agentes do Estado protegem-se uns aos outros com silêncios cúmplices sempre que um deles é apanhado com as calças na mão (ou sem elas) violando crianças da Casa Pia, roubando carris para vender na sucata, viabilizando centros comerciais em cima de reservas naturais, comprando habilitações para preencher os vazios humanísticos que a aculturação deixou em aberto ou aceitando acções não cotadas de uma qualquer obscuridade empresarial que rendem 147,5% ao ano. Lida cá fora a mensagem traduz-se na simplicidade brutal do mais interiorizado conceito em Portugal: nos grandes ninguém toca."

Artigo de Mário Crespo originalmente publicado no JN, 2/11/2009.

domingo, 08 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

Pois é, mas o rapaz não conta o rest. Porque é que não voltou a desempenhar as mesmas funções se isso dá é votos ao outro?
Porque há razões de sobra para isso; não de trabalho de outras.

domingo, 08 novembro, 2009  
Anonymous A.B.C. disse...

A cru, sem a necessidade da cozedura dos factos, bactérias que podem destruir o sistema nervoso central do poder socialista, respigo, para conhecimento e registo, esta notícia do CM, de 7-11-2009, sobre o caso Face Oculta:

«07 Novembro 2009 - 22h00
Investigação: PJ ouviu principais figuras do PS durante períodos eleitorais
José Sócrates escutado dezenas de vezes

O universo da Comunicação Social esteve sempre presente nas dezenas de conversas entre Armando Vara e José Sócrates, escutadas pela Polícia Judiciária de Aveiro e anexas a certidões que se encontram desde Julho passado na Procuradoria Geral da República. O primeiro-ministro e o ‘vice’ do BCP falaram sobre as dívidas do empresário Joaquim Oliveira, da Global Notícias – que detém títulos como o Jornal de Notícias, o Diário de Notícias e a TSF –, bem como sobre a necessidade de encontrar uma solução para o ‘amigo Joaquim’. Uma das soluções abordadas foi a eventual entrada da Ongoing, do empresário Nuno Vasconcellos, no capital do grupo. Para as autoridades, estas conversas poderiam configurar o crime de tráfico de influências.
Outro assunto abordado nas inúmeras conversas escutadas e transcritas pelas autoridades foi a venda da TVI aos espanhóis da PRISA. Os temas ‘Manuela Moura Guedes/José Eduardo Moniz’ também foram falados, sendo evidente que o casal não era do agrado do primeiro-ministro José Sócrates.
Outras conversas foram ouvidas, transcritas e enviadas para a Procuradoria-Geral da República. Na altura, a Judiciária e o Ministério Público de Aveiro entenderam que, dada a gravidade das mesmas – e por envolverem o primeiro-ministro –, deviam ser comunicadas à hierarquia máxima do Ministério Público. Para que aquela decidisse o que fazer com a investigação.
Quase quatro meses passados, Pinto Monteiro ainda não decidiu o destino a dar à informação recolhida. Ao CM, confirmou apenas a chegada dos documentos, assumindo o seu gabinete que ainda não se sabia se havia ilícitos criminais e quem os iria investigar: 'A Procuradoria-Geral da República está a proceder à análise das nove certidões recebidas e, como já foi noticiado, foram pedidos elementos em falta que são essenciais para serem proferidas decisões, como seja saber se existem ilícitos e, nesse caso, onde devem ser investigados, abrir ou não inquéritos, arquivar ou mandar prosseguir investigações, apurar eventuais responsáveis', disse a assessora de imprensa de Pinto Monteiro ao CM.
O CM sabe ainda que as certidões não se limitam às conversas do primeiro-ministro. É já conhecido, neste momento, que as autoridades ouviram diversos elementos do Partido Socialista e que as mesmas escutas decorreram durante a preparação das três campanhas eleitorais que ocorreram neste ano.
José Sócrates falou ontem do processo e afirmou estar 'triste' com o facto de o caso envolver o seu 'amigo' Armando Vara. José Sócrates falava aos jornalistas no final do debate do Programa do Governo, na Assembleia da República, e confirmou que falava regularmente com Vara. (...)

domingo, 08 novembro, 2009  
Anonymous A.B.C. disse...

CERTIDÕES NA PGR
O procurador-geral tem as nove certidões há quase quatro meses na sua posse mas ainda não decidiu. (...)

PROCURADOR PEDIU TODO O PROCESSO AO MP DE AVEIRO
'Esclarecimentos adicionais.' É assim que Pinto Monteiro se refere ao pedido de informação enviado para o Ministério Público de Aveiro a propósito das certidões extraídas por suspeitas criminais que envolvem Armando Vara. Os 'esclarecimentos adicionais' implicaram o envio de todo o processo para a PGR. No entanto, há quatro meses que as cópias da investigação se encontram na PGR e Pinto Monteiro ainda não decidiu se estão em causa ilícitos criminais, quem os deve investigar e quais os crimes que as situações configuram.
O CM sabe que a posição da PGR está a causar mal-estar em vários sectores da Justiça. Tanto mais que Cândida Almeida, do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (a quem poderão ser enviadas as certidões para que os processos sejam investigados), já mostrou algumas dúvidas sobre o caso ‘Face Oculta’. A magistrada chegou mesmo a dizer, nesta semana, que só esperava não ter qualquer 'surpresa' no andamento da investigação.» (Realce meu)


O caso Face Oculta, e a ramificação até ao primeiro-ministro, foi objecto de notícias do Sol, de 6-11-2009, e também do Expresso, de 7-11-2009, e ainda do DN, de 7-11-2009. Mas a notícia do CM, de 7-11-2009, é mais abundante nos factos que alega.

domingo, 08 novembro, 2009  
Anonymous A.B.C. disse...

Entretanto, o CM, de hoje, 8-11-2009, informa, o que na notícia de ontem se lançava:

«08 Novembro 2009 - 00h30
Polémica: Conversas interceptadas são politicamente explosivas
Escutas de Sócrates em risco de ser apagadas

As dezenas de transcrições de conversas entre Armando Vara e José Sócrates interceptadas durante a ‘Operação Face Oculta’, validadas por um juiz e enviadas para a Procuradoria-Geral da República em forma de certidão, correm o risco de ser destruídas. Basta que Pinto Monteiro, a quem as mesmas foram entregues há quatro meses, considere que as situações em análise não configuram ilícitos criminais, o que permite assim proceder à destruição das mesmas.»


Para que se pare o sofisma em lançamento: o carácter explosivo das escutas entre o senhor José Sócrates e o Dr. Armando Vara não deriva, como é evidente, de qualquer exposição da verdade sobre o envolvimento do primeiro-ministro nas manobras para a tomada da TVI, que negou, ou outra qualquer referência sobre o sub-mundo político. Essas referências políticas são amendoins comparadas com o melão da eventual constituição do primeiro-ministro como arguido.

O experiente, criterioso e firme, procurador do Ministério Público, Dr. João Marques Vidal, não extrai certidões de conversas políticas, mas apenas daquelas que têm relevo judicial, nem o mítico inspector da Polícia Judiciária Teófilo Santiago lhe chamaria a atenção para algo que não tivesse esse relevo. O procurador-geral da República Portuguesa não demora quatro meses a decisão de arquivar a certidão enviada do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) -e apagar imediatamente as escutas - de Aveiro, que envolve o primeiro-ministro ministro de Portugal, se ela não contivesse elementos judicialmente importantes, pois, se esses elementos não constassem da certidão, isso representaria uma ordália inaceitável sobre o primeiro-ministro e a República. O carácter explosivo das escutas está no seu eventual relevo criminal. Não se admite como, após das referências do Freeport, o primeiro-ministro possa resguardar o seu cargo e manter a eficácia plena na condução do Governo, face às suas responsabilidades nacionais e internacionais, se for constituído arguido no processo Face Oculta. Mais ainda, esta demora de 4 meses de um pré-inquérito (cabe em que artigo da lei?), em vez da abertura imediata do inquérito após a recepção da certidão, traz o significado de, se o inquérito for aberto, passar a ideia de que o procurador-geral da República não desvaloriza esses indícios.

A possibilidade de mandar destruir essas escutas, que o magistrado do Ministério Público e a Polícia Judiciária de Aveiro consideraram ter relevo criminal, sem que, com tanta gente a intervir, elas não sejam filtradas para os media é praticamente ilusória. E esse facto torna ainda mais politicamente difícil que a certidão se arquive e as escutas se mandem destruir. Como ficaria, perante as instituições da República, os agentes políticos e o povo, alguém que toma a decisão de arquivar certidões e mandar destruir escutas, perante a evidência escrita e sonora de que configurem relevo criminal claro?

domingo, 08 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

se o 1º ministro fosse santana lopes, neste momento, o senhor presidente da república já o tinha demitido.

a coragem para limpar o país dos políticos corruptos, falta aos senhores juizes.

todos comem do mesmo tacho.

domingo, 08 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

Sr. Dr. Oliveira assim não vale.
Não basta a traição que efectuou com o Sr. Aragão senão agora está a inundar o tópico com contra-informação dos xuxalistas.
Feios, porcos e maus, são adjectivos que se aplicam a algumas pessoas cá do laranjal.
O Sr. Dr. que diz mal de mim em todo o lado, ainda consegue ser pior que eu.
Chefe de Gabinete do Eng Mata Cáceres - Dr. Fernando Biscainho

segunda-feira, 09 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

Dr. Fernando Biscainho??? Qual quê?
Prof. Fernando Biscainho

terça-feira, 10 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

Um nojo praticado por nojentos...

terça-feira, 10 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

Está tudo nos trinques outra vez porque os tachos continuam na mesma e sem nada fazerem por Portalegre e sua população.

domingo, 15 novembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

Segundo dizem por aí,o protagonismo do ex-secretário da Junta de São Lourenço, deixava o Sr. Enfermeiro Oliveira fora dos carretos, podera, ele não punha os pés na Junta!
Quando o PSD for governo, talvez lhe arranjem um tachito como vogal na Segurança Social, e como não é obrigado a picar o cartão...patrão fora, dia santo na loja, tão a morder nom tão? Até a barraca abana.

terça-feira, 15 dezembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

O Sr. Enfermeiro, agora Presidente da Junta de São Lourenço,já é mais frequente a sua permanência nas instalações, até se tornou mais sociável, vai às vezes e nas horas de expediente tomar uma bebida com a sua funcionária ao Aquário, será que se está a vingar do seu ex-secretário? Oh Oliveira, isso não se faz!

terça-feira, 15 dezembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

Este "cromo" do M.A. não desarma... Porra, foste "à vida", deixa lá o resto de pessoal em paz!!! Essas tretas já chateiam... Com isto tudo como é que ainda andas para aí a dizer que daqui a 4 anos vais ser candidato à Junta de Freguesia? Não te enxergas?

segunda-feira, 21 dezembro, 2009  
Anonymous Anónimo disse...

A procissão... ainda não chegou ao Calvário!

segunda-feira, 28 dezembro, 2009  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Site Meter