terça-feira, 3 de maio de 2011

SERÁ SÓ ISTO?

78 MIL MILHÕES

DE EUROS
,

é o valor do
jackpot

que

o grande ... ... ...

nos deixa

Etiquetas: , , , , ,

10 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

A Democracia Portuguesa começa a estar em sérios riscos. Aos poucos Portugal vai-se transformando numa Democracia igual à que impera na Venezuela de Hugo Chávez. Há muito tempo que considero este Sócratino um homem demasiado perigoso para a Democracia em Portugal. Este Sócratino vai fazer de tudo para se manter no Poder a qualquer preço. As últimas Sondagens são arrepiantes, fazem-nos crer a ideia de que este Sócratino é imbatível em Eleições, tal e qual como Hugo Chávez na Venezuela, mesmo com o País em plena Austeridade e com a Economia de rastos. Meu adorado País, em que mãos foste tu caír!!!

terça-feira, 03 maio, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Reconheço que Socrates tem defeitos, é arrogante, pouco flexivel, teimoso, mas tambem reconheço que foi alvo de camapanhas sujas, foi obstinado, mexeu com classes profissionais que até então eram intocáveis, como os professores, a acima de tudo os tribunais deram-lhe razão, até o constitucional. O Cavaco tambem sabia que isso ía acontecer.
Assim e infelizmente, face a uma oposição que não tem a mínima credibilidade, não existe outra solução.
E ainda esta negociação com o FMI foi um exito. Não gosto dele, mas tenho de reconhecer que é um politico implacavel e corajoso.
Não tem neste momento outro lider á sua altura.

terça-feira, 03 maio, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

Oh pá o Borges da Secundária sabe tudo até de gajas

terça-feira, 03 maio, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

O sangue nas ruas

por BAPTISTA-BASTOS

Portugal está deprimido, aflito, perplexo com o que lhe está a acontecer. Nada do que o prof. Medina Carreira não tivesse prevenido, com a veemência que lhe custou um rol de inimigos cheios de azebre. O costume, para quem recusa a obediência cega e não cala a voz da razão. Anteontem, na SIC, a excelente Clara de Sousa apresentou uma reportagem inquietante, que prova a dissolução dos laços sociais, pondo em causa a nossa própria identidade. Os portugueses estão a vender tudo o que lhes parece acessório e a desfazer-se não só de objectos que lhes são queridos como de utensílios absolutamente necessários. Afogados em dívidas, relegam o que lhes resta de privado e de pessoal para a esfera pública. Os exemplos fornecidos explicam-nos a dimensão da miséria em que subsistimos e a grandeza das dificuldades com que nos enredaram.

Estamos cercados de prestamistas, os maiores do quais, acaso, aqueles da troika, sem esquecer ou minimizar os compradores de oiro, de artigos em segunda mão, de recheios de casas, os quais não ocultam que "o negócio vai bem." A velha fórmula de Rockefeler: "Quando há sangue nas ruas, compra", parece dar amplo resultado.

Os piedosos discursos, cujo conteúdo se baseia na perda de referências, na ausência de valores, na desagregação de princípios, não constituem novos pressupostos de autoridade moral. Palavras, palavras. Os seus autores, na generalidade, são grandes responsáveis pela desumanização desta sociedade visível. Quem acredita, seriamente, nos dirigentes políticos?, os quais têm tripudiado não só sobre a natureza da sua função, como nos próprios rituais públicos.

Há dias, ante uma plateia de jovens, Eduardo Catroga, emocionado, incitou esta geração a enviar para tribunal, porventura para a cadeia, Sócrates e seus apaniguados. Só estes?, pergunta a minha malvada curiosidade. Não será verdade que o ex-ministro simboliza, ele também, um parágrafo da história?

As regras da arte almejavam uma sociedade que deveria basear-se em associações com características afectivas e solidárias. Nada disso. A ganância, a febre do lucro pelo lucro, o individualismo mais atroz criaram a sobranceria e o desprezo pelo humano. Onde se situa a fronteira da compaixão? As pessoas que querem permanecer elas próprias não têm espaço nem possibilidades. Esta exigência de compromisso perde-se com o desaparecimento do altruísmo de proximidade. Não nos cruzamos nas ruas, nos bairros, nas cidades. Trespassamo-nos, numa distância prática, física e mental que nos isola cada vez mais uns dos outros.

No: D.N.

quarta-feira, 04 maio, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

O grande filho da puta do Sócas anunciou-nos os tempos difíceis que viveremos, durante o intervalo da bola.
Vamos ver o que aí vem. para já, ficámos a saber (ainda que se tenha de guardar alguma margem dado a tendência congénita do homem para a mentira) o que não vai acontecer.
Ficámos a saber, durante o intervalo da bola, assim como se fosse, 15 minutos de publicidade a merdas que não interessam a ninguém, talvez a parte menos má do nosso futuro imediato.
Sse fosse apenas o que disse, concluiríamos que a coisa se resolve com um corte nas reformas de quem trabalhou e descontou toda uma vida para o efeito.
(Não confundir com as reformas dos políticos e passageiros da CGD ou BCP).
Com toda esta simplicidade, poderemos manter os boys (não haverá despedimentos na função pública), as fundações e institutos, os negócios com as construtoras e quejandos.
Não acreditem.
Vai chover e da grossa!

quarta-feira, 04 maio, 2011  
Anonymous Luís Silva disse...

É necessário colocar estes grandes filhos da puta na prisão.
Todos estes políticos devem ser responsabilizados pelas dívidas que contrariam, eles que as paguem, desde da junta de freguesia, câmaras, governos civis,assembleias regionais, da república e governo. Grandes ladrões!

quarta-feira, 04 maio, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

como é que o isaac tem coragem de andar de cabeça levantada e deve dinheiro a toda a gente

quarta-feira, 04 maio, 2011  
Anonymous Carlos disse...

O que Sócrates não quis dizer ontem

Está a ser revelado pelo Jornal de Negócios:



- Subida das taxas moderadoras na saúde
- Dedução de prejuízos fiscais reduzida para três anos
- Autarquias vão receber menos 350 milhões até 2013
- Estado e Câmaras Municipais terão de reduzir em 15% os cargos dirigentes
- Aumentos do IVA podem atingir os 17 pontos percentuais
- Despedimentos vão ser mais fáceis; alargamento das situações que justificam um despedimento individual
- Tarifas das renováveis, cogeração e CMEC deverão ser cortadas
- Governo terá de entregar em Julho calendário para a extinção das tarifas eléctricas
- IVA da electricidade e do gás vai subir
- Madeira e Açores obrigados a subir IRS, IRC e IVA
- Cartas vão começar a ter IVA
- Despejos passam a três meses e haverá liberalização gradual das rendas
- Corte a fundo no sistema de saúde dos funcionários públicos (30%)
- Subsídio de maternidade e desemprego passam a pagar IRS. Assim como todos os outros apoios sociais, sem excepção.
- Escolas com mais autonomia mas financiamento fica a depender do desempenho
- Sector dos terá que avançar com concurso para prestação de serviços públicos.

quarta-feira, 04 maio, 2011  
Anonymous D João III disse...

Culpados desta situação- todos os politicos, ministros que passaram pelo governo desde Ramalho Eanes. Exagero?,,,olhem que não porque foi aí que tudo começou.
Aonde foi parar o dinheiro que veio para fazer formação nas empresas?
Foi para casa na praia, no campo, mercedes, audis ,bmw, barcos e outros desvaneios.
Já repararam a quantidade de audis e Bmw que existem em Portalegre?
Numa cidade em crise, sem tecido empresarial, como foram comprados? Acusto de quê?

Para onde foram os subsidios das ovelhas e vacas? Foi parar ás Mitsubishi strakar e outras afins, custa cada acrrinha destas mais de 9 000 contos. Compradas á custa dos subsidios dos animais, houve animais que receberam 3 e 4 subsidios, íam de noite mudá-las de monte para monte, e depois com um pequeno suborno ao funcionario que ía contar o gado, marchava tudo, que o dinheiro até nem era nosso era da CEE e há que o despachar a torto e adireito.
Chegámos á situação actual e agora a culpa é do Socrates? Claro quem venha atrás que feche a porta.
Tenho dito.

quarta-feira, 04 maio, 2011  
Anonymous Anónimo disse...

O Senhor tem alguma razão, mas não toda. Mais de metade do dinheiro que veio de Bruxelas para o desenvolvimento da agricultura em portugal, ficou nas mãos do Ministério que o distribuiu pelos engenhocas e outros funcionários que o compôem.

quinta-feira, 05 maio, 2011  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Site Meter