sábado, 28 de maio de 2011

FOME

Há rastos de lume nos olhos
de poeira erguida ao redor dos passos
de gente que se levanta
e não come e não dorme e se consome
enquanto os dias à beira da água parados
bebem o tranquilo pousar das aves
enquanto as almas crescem como trigo
dentro de cada gesto e explodem
o fogo devora
o fogo é isto no fundo dos olhos


Pires Laranjera
Vinte e seis poemas iniciais

Etiquetas: ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial

Site Meter